• Umas práticas diferentes

    No lar São Marcelino Champagnat de Bucareste. Uma segunda-feira típica, estamos em Bucareste, medo de viver com algo tão desconhecido, incapaz de falar a língua, longe de nossas famílias. No entanto, levou uma grande surpresa, porque desde o primeiro dia nós sentimos que as crianças roubou nossos corações.

    O primeiro a cumprimentar-nos com os braços abertos, e fazer-nos sentir em casa, eram os irmãos Juan Carlos e Carlos, os dois responsáveis ​​pelo centro, neste momento, você definitivamente fazer um grande trabalho, lidando com a educação, saúde e amá-los tanto grato. Sempre nos lembramos de cafés e chocolates Carlos, após as refeições, acompanhados por histórias Juan Carlos sobre as crianças que viviam ali.

    Como as crianças não há nada de ruim a dizer. A nossa intenção era ir para lá como professores, mas no final foram eles querem nos ensinou que você pode sempre ser feliz, mesmo com essas experiências duras como a sua. Fomos ensinados a tira do material, as memórias que tocam o coração são sempre o melhor presente.

    Cada um deles traz algo diferente, mas essencial para as casas. Impulsividade Mariana, perfeccionismo Armando, bondade de Robert e Toni, o sentido de responsabilidade dos Iuliana, procurar o sorriso de Claudiu Dani e Alex, lindos olhos de Alex Barcan, a ternura de Sevi, charme Aleka, bom humor Adrian são apenas algumas das qualidades que se destacam de todas as nossas crianças.
    Não importa a atividade que fizemos (pintura, camber, artesanato, computadores, jogos no parque, noites de cinema, etc., ...) foram sempre dispostos a colocar tudo de sua parte para obtê-lo direito, independentemente do problema língua. Mesmo os mais jovens, que não falam apenas espanhol, participou. E no final, eles sabiam dizer-nos que "queríamos locula". Um sorriso foi o suficiente para entender que eles estavam fazendo bem, e motivá-los a seguir.

    Seremos a memória do "ciorba" Beijos boa noite, a singularidade de cada casa, a sua essência, momentos de reflexão no domingo, mas especialmente os sorrisos de cada um.

    Estudantes da Faculdade de Educação
    Pontifícia Universidade de Salamanca
     

    Comparte la noticia